Qual a tolerância do radar?

Muitos motoristas têm dúvidas sobre qual a tolerância do radar e só procuram saber esta informação quando são multados. Neste texto, iremos falar sobre isso.

Presente na maioria das grandes cidades, o radar fixo de trânsito, também conhecidos como “pardal”, se constitui sensores magnéticos localizados no chão e que trabalha em conjunto com uma câmera digital e flash.

Os sensores (que na maioria das vezes são três) calculam a velocidade com que o veículo passa e transmite esses dados para as centrais da empresa responsável pelo equipamento.

Há ainda as lombadas eletrônicas que são duas torres nas laterais das vias e possui um painel em que é exibido o motorista a velocidade que ele passou.

As lombadas eletrônicas, que também possui sensores magnéticos, são colocadas em pontos considerados críticos para que haja a redução de velocidade.

Já o radar móvel ou portátil, é um aparelho que se utiliza do efeito Doppler, onde um aparelho emite ondas eletromagnéticas que atingem e são rebatidos pelo veículo. A frequência da onda rebatida é proporcional à velocidade do veículo, fazendo ser possível fazer a medição da velocidade.

Qual a tolerância do radar

Como funciona a tolerância do radar?


Muitas vezes, o radar só é visto pelo motorista já quando ele está passando por ele e não é possível reduzir a velocidade.

Contudo, o que muitos motoristas não sabem é que a velocidade que é considerada para dizer se o motorista cometeu ou não infração de velocidade não é exatamente a medida.

Isso porque, há uma margem de tolerância, que admite que a precisão do radar não é de 100%.

Assim, ao medir a velocidade, é usado o termo “velocidade considerada“, que é diferente daquela registrada pelo aparelho.

O primeiro parágrafo do Art. 4 da Resolução Nº 396 do Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN) diz que a velocidade considerada é o resultado da subtração da velocidade medida pelo erro máximo, que é previsto pelo aparelho.

Os aparelhos de radar, tanto móvel quanto fixos, devem ser aprovados pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), que averigua se o aparelho respeita o erro máximo admitido. Sabendo o erro máximo, é possível identificar qual a tolerância do radar.

No radar de 50 km/h, o veículo possui como velocidade medida até 57 km/h, não será multado por excesso de velocidade. No radar de 60 km, a tolerância da velocidade medida é até 67 km/h.

Já em rodovias de pista dupla onde não há sinalização indicando o limite de velocidade, a velocidade máxima permitida é de 110 km/h e o radar pode medir até 118 km/h para que o motorista não seja autuado em uma infração.

Multas por excesso de velocidade


As multas por excesso de velocidade são divididas em três naturezas, que são:

  • Infração média: quando o motorista é autuado dirigindo até 20% acima do limite permitido. A multa para essa infração é de R$ 130,16 e adição de 4 pontos na CNH;
  • Infração grave: entre 20% a até 50% acima do limite permitido. A multa para essa infração é de R$ 195,23 e adição de cinco pontos na CNH;
  • Infração gravíssima: Acima de 50% do limite permitido. A multa para essa infração é de R$ 880,41, pois multiplica em três vezes o valor da multa para infração gravíssima, além de o motorista ter o documento de habilitação apreendido e perder o direito de dirigir.

Conseguimos tirar suas dúvidas sobre qual a tolerância do radar? Lembrando que o recomendado para a sua segurança e de todos que fazem parte do trânsito é seguir os limites estipulados para cada via.

No caso de você achar que foi prejudicado e que a medição de velocidade de radar foi injusta, é possível entrar com até três recursos para a anulação da infração de trânsito.

Vale a pena ler também: