Mudança de categoria B para D

Para quem deseja fazer a mudança de categoria B para D é necessário dirigir ao DETRAN do seu estado. Deste modo, para saber como ter a profissão de motorista de caminhão e migrar a Carteira de Nacional de Habilitação de B para D não é tão complicado.

Aquele que tem dúvidas de como trocar a categoria da CNH (Carteira de Nacional de Habilitação), o procedimento é simples e basta seguir alguns requisitos. Confira.

Condições conforme Código de Trânsito Brasileiro (CTB)


Conforme o órgão, o motorista que deseja conduzir os veículos que exigem habilitação nas categorias “C” (vans até oito lugares, caminhonetes, pick ups, caminhões), “D” (ônibus, micro-ônibus, tratores) ou “E” (trailers, carretas e veículos articulados, por exemplo) pode fazer o processo junto ao DETRAN.

Neste caso é fundamental estar com a CNH atual em situação regular, além de não ter nenhuma infração grave ou gravíssima, inclusive não pode ser reincidente em infrações médias, nos últimos doze meses.

De qualquer modo é preciso também estar dentro de outros pré-requisitos conforme Código de Trânsito Brasileiro (CTB). Mas no geral é preciso que o condutor esteja com a carteira de motorista em situação regular.

Leia também: Transferência de habilitação para outro estado

Mudança de categoria B para D

Requisitos para Mudança de categoria


Para habilitar nestas categoriais é preciso estar dentro das exigências específicas, conforme abaixo:

  • Categoria “C” – estar habilitado, no mínimo, há um ano na categoria “B.
  • Categoria “D” – estar habilitado há dois anos na categoria B ou há um ano na C e ter 21 anos completos. Neste caso o usuário pode fazer a a condução de veículos utilizado no transporte de passageiros, com mais de oito lugares.
  • Categoria “E” – estar habilitado há um ano na categoria C ou há um ano na D e ter 21 anos completos.

Uma observação é que se a CNH “D” foi obtida a partir da “C” não é necessário esperar um ano podendo ir da “D” direto para a categoria “E”;

Como fazer a mudança


Para fazer a mudança de categoria é preciso:

  • O usuário deve agendar no portal do DETRAN do seu estado.
  • Na data marcada deve ir ao local para fazer a coleta biométrica (assinatura, foto e digitais).
  • É preciso estar com os documentos, como protocolo de agendamento, os originais e cópias do RG, do CPF e do comprovante de endereço;
  • Após é feito o exame médico e avaliação psicológica;
  • Na sequência é preciso fazer 20 horas de aulas práticas de direção veicular em uma autoescola da sua preferência.
  • Por fim é preciso ser aprovado na prova prática.

Curso especializado para habilitação


De qualquer forma, o usuário além de precisar estar habilitado na categoria correspondente ao veículo, conforme a atividade profissional, pode ser necessária um curso especializado.

Sendo assim, isto é válido para os casos de:

  • Transporte de escolares, passageiros em veículos coletivos e carga com produtos perigosos, entre outros.

Estas questões são estabelecidas de acordo com a resolução 168 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran). Geralmente estes cursos são apresentados nas instituições de ensino credenciadas.

Como exemplo, para condutores de veículos de transporte de produtos perigosos a carga horária é de 50 horas/aula.

Após a capacitação é inserido no campo “observações” o curso na habilitação do motorista. Ainda é preciso solicitar a emissão da 2ª via da CNH para portar o documento com a informação do curso.

Esta segunda via pode ser solicitada também pelo DETRAN do seu estado. No geral é possível conferir a lista dos cursos e os locais no DETRAN no portal do seu estado.

Taxas para Mudança de categoria B para D


Os valores referentes ao processo seguem abaixo, confira:

  • Exame médico (ao médico): valores estipulados no local.
  • Avaliação psicológica (ao psicólogo): valores estipulados no local.
  • Aulas práticas: valores estipulados pela autoescola.
  • Taxa DETRAN de exame prático (pagar em banco conveniado): valores estipulados pelo estado.
  • Taxa DETRAN de emissão da nova CNH (pagar em banco conveniado): valores estipulados pelo estado.

Nas capitais o candidato pode escolher a clínica para os exames médicos e psicotécnicos entre as opções credenciadas pelo DETRAN.

No interior o CIRETRAN (Circunscrição Regional de Trânsito) irá indicar os locais para fazer os exames.

Sendo assim, o CFC fica a escolha do condutor, portanto o preço não é tabelado como os exames médicos. Caso ocorra a reprovação em alguns dos exames é necessário pagar a taxa novamente.

Lembrando que a mudança de categoria pode ser feito em uma autoescola credenciada pelo DETRAN.

Vale a pena ler também: