Doenças que impedem de dirigir

Muitos motoristas têm dúvidas sobre quais doenças que impedem de dirigir? Neste texto vamos falar sobre isso!

Dirigir é um ato muito sério e que pede responsabilidade, já que, se não for feito com consciência, além de você colocar sua vida em perigo, também ameaça a vida de outras pessoas que fazem parte do trânsito.

Não é à toa que para tirar a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) o condutor passa por exames físicos e avaliações psicológicas.

O mesmo ocorre a cada cinco anos (em algumas condições esse prazo é inferior) quando é obrigatória a renovação do documento.

Quais as doenças que impedem de dirigir

Como o condutor é avaliado para receber a habilitação?


A Resolução nº 267 do Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN) possui as atribuições legais em relação às doenças que impedem de dirigir.

O capítulo II da Resolução diz que há casos nos exames de aptidão física e mental e avaliação psicológica em que o candidato a retirar a habilitação é considerado apto, apto com restrições, inapto ou inapto temporariamente para a retirada ou renovação da CNH.

Ao ser classificado como apto, o candidato apresenta o desempenho esperado para conduzir um veículo.

Quando o candidato é avaliado como apto com restrições, quer dizer que há algum tipo de restrição ao condutor ou a necessidade de se fazer adaptação veicular.

No caso de ser considerado inapto temporariamente, quer dizer que o motivo da negativa é passível de tratamento e/ou correção.

Se for tido como inapto, quer dizer que o motivo para a reprovação é irreversível e não há possibilidade de tratamento.

Quais as doenças que impedem de dirigir?


A Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (ABRAMET) diz que doenças neurológicas devem ser acompanhadas de perto e individualmente. Dessa forma, é possível medir se o condutor oferece perigo no caso de ele ser considerado apto a dirigir.

No caso de doenças neurológicas progressivas é preciso o acompanhamento de especialistas para que haja a diminuição de riscos.

A seguir, confira algumas doenças que devem ser analisadas pelos peritos antes de ser concedida a CNH ou ser feita a renovação:

  1. Acidente Vascular Cerebral (AVC)

O AVC pode causar sequelas sensoriais, motores ou neuromusculares. Sabendo disso, o motorista precisa passar por uma Junta Médica Especial dos Órgãos Executivos de Trânsito para que seja avaliado se ele está apto para dirigir ou se há alguma restrição.

Como pessoas que já sofreram AVC possuem mais chances de ter um segundo, é necessário que mesmo após voltar a dirigir continuem sob supervisão. Assim, é comum que se diminua o prazo de renovação da CNH, que normalmente é de cinco anos.

  1. Esclerose múltipla

Esta é uma doença neurológica progressiva que pode causar comprometimento nos movimentos, sentidos e causar vertigens. A força muscular e a movimentação das mãos e pés devem ser avaliadas pelo perito.

Por ser uma doença que o portador pode apresentar episódios frequentes de fragilidade, é necessário acompanhamento constante, pois é inevitável que a CNH desses motoristas sejam suspensas com a progressão do quadro.

  1. Isquemias transitórias

Isquemias podem ocasionar perda de consciência, arritmias cardíacas, confusão mental e entre outras sequelas.

Assim, ao ter um quadro dessa doença, o mais indicado é que ele espere cerca de seis meses para fazer a observação do quadro e avaliar possíveis sequelas.

É provável que o motorista também tenha o prazo de validade de sua CNH reduzida.

  1. Epilepsia

Pacientes com epilepsia podem dirigir se a doença tiver controlada e estiver sem crises por pelo menos um ano.

Se a medicação estiver suspensa há pelo menos seis meses, o intervalo de crises deve ser de dois anos.

As informações devem ser fornecidas pelo médico que acompanha a pessoa.

doenças que impedem de dirigir

  1. Demência e demais alterações cognitivas

Motoristas que possuem comprometimento da memória e quaisquer anomalias em relação às funções cognitivas podem representar grandes riscos no trânsito.

Assim, é necessário que o motorista passe por uma avaliação profissional que determine sua real condição.

Pacientes diagnosticados com Alzheimer comumente precisam passar por uma nova avaliação a cada seis meses para verificar o avanço da doença, sendo o mais recomendado quando a família ou próprio motorista perceber o agravamento da doença o volante seja deixado de lado para a segurança de todos.

Como vimos, essas são as doenças que impedem de dirigir mais frequentemente e, por isso, merecem atenção por parte dos peritos e daqueles que vão tirar ou renovar seu documento de habilitação.

Vale lembrar, que ao tirar a CNH é necessário informar sobre qualquer condição de saúde que possa comprometer sua própria segurança e de outras pessoas.

No caso do motorista omitir qualquer informação na entrevista, exame clínico e avaliação psicológica estará cometendo crime de falsidade ideológica, que prevê pena de reclusão de um a três anos (Art. 99 do Código Penal).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *